+55 (11) 2626-0211
+55 (12) 3302-0111
+55 (12) 99111-7601
contato@ellevendh.com.br

Você é sincero? – Alex Baylon

É assim, de vez em quando o eu interno me chama para bater um papo! Papo cabeça, sabe? Daqueles que dá trabalho pensar. Às vezes chego a falar que não vou conversar porque quero deixar as sinapses sem rumo por ai… tá bom que um practitioner consegue evitar um boa prosa!

Esse eu interior me intimou de novo a prestar atenção ao ambiente. Você também faz isso? Então talvez tenha percebido que tem uma espécie comum, que se auto intitula “sou sincero”. Geralmente essas criaturas têm umas tiradas engraçadas; outras vezes achamos que é maldade, outras vezes não detectamos nada – afinal, quem fica analisando tudo 100% do tempo? Mas é fato que os “sou sincero” não passam despercebidos. A gente sempre conhece alguns exemplares.

Na minha comunicação, procuro ser claro, ir direto ao ponto, dizer o que é preciso – me esforço nisso, nem sempre acerto. Por vezes busco adequar meu comportamento e discurso, seja escrito ou verbal, de modo que a pessoa com quem me comunico me entenda. Contextualizo. Não é ‘fru fru’, não quero ser bonzinho, faço isso para conseguir discutir ideias, evitando que as questões fiquem no nível pessoal.

O “sou sincero” faz isso sem esforço. Fala na lata o que pensa. Da maneira que vem na cabeça.
O processo de elaborar uma opinião exige trabalho, busca de conhecimento, geração de discernimento, aprendizado, e polimento para que fiquemos satisfeitos com o que temos em mente. Se falarmos tudo na lata, será que dá tempo de polir o pensamento?
Pois é, na média parece que não. Os “sou sincero” são taxados de agressivos, inconvenientes, às vezes de falsos, pois suas palavras são lançadas cheias de arestas que entram rasgando os ouvidos e espetam a mente de que as ouve. Machucam. Ofendem. Incomodam.

Por vezes a gente dá graças por não ter sido o alvo do comentário de um “sou sincero”. Quando estamos de fora, às vezes achamos graça, em outras até concordamos com a essência, mas não com o jeito. E é aqui que reside o problema. O jeito é o polimento necessário da comunicação. As pessoas não são obrigadas a ouvir as verdades do jeito que alguém as atira nelas. Elas têm o direito de – com todo respeito, com jeito – saber as opiniões dos outros sobre suas atitudes, comportamentos, ideias, para que elas possam genuinamente se interessar em aprender, em mudar. Elas têm um direito maior ainda: de não querer ouvir nada! – e por vezes o “sou sincero” quer obrigar os outros a escutar… Inimizades podem surgir assim.

Percebo também que os “sou sincero” geralmente se ofendem fácil. Porque o processo de cognição deles é igual em ambos os sentidos e com a mesma referência. Assim como sai aresta, entra aresta; porque não há preocupação em entender o que o outro disse, as palavras são tomadas cruas, literais e causam no “sou sincero” o mesmo efeito de agressividade. É comum o “sou sincero” retrucar, responder, complementar, arguir, enfim, de um modo ou de outro, devolve.

E o que fazer? Quisera eu ter todas as respostas! Mas, sabendo que o indivíduo mais flexível sempre está no controle, quando ouço um “sou sincero”, procuro eu fazer o processo cognitivo, busco a essência, penso em como seria a melhor maneira de expressar e assumo que assim foi feito. Evito inimizades, crio amigos, inclusive amigos perfil “sou sincero”!
Agora, alguém me dá uma dica de como influenciar um “sou sincero” a pensar no causo?

Sobre o autor:
Alex Baylon é Marido da Cíntia, pai da Melissa, Engenheiro e Administrador
Practitioner em PNL, formação em Hipnose, Reiki e Tarô.

Qual parte você não entendeu? – Alex Baylon

Quase todos os dias ouvimos e observamos pessoas se explicando e reclamando, nos fazendo sentir que algo está errado no ambiente – frases bastante comuns são repetidas à exaustão: “Porque foi combinado assim e fulano fez assado”, “Porque eu achei que era desse jeito”, “Você não explicou esse detalhe”, “Mas, você não me pediu isso!”, “Já não estava alinhado?” e etc.
E quantas dessas vezes não são pessoas experientes, cultas, que estão envolvidas na discussão? Pessoas pelas quais temos verdadeiro apreço?!
Digo mais: quantas vezes ao prestar atenção à discussão, ainda que de longe, ficamos “do lado” da pessoa que recebeu a orientação? E não do lado de quem passou a informação.
Pois é, isso acontece com muita frequência, basta levantar a orelha para perceber que algo assim ocorre no nosso ambiente, isso quando não somos nós mesmos os atores dessas cenas!

É o drama do “é óbvio” !! Algumas pessoas realmente acreditam que tudo que está na mente delas é límpido e claro e que suas cordas vocais reproduzem isso com precisão!
Atente-se! Se você está o tempo todo tentando “re” explicar o que você pediu e saiu de outro jeito, questionando porque as coisas não estão como você imaginou, ou dando desculpas por não ter atendido o cliente o problema deve estar na sua maneira de transmitir a mensagem e não no receptor.

Quantas vezes você se preocupa em verificar se a pessoa entendeu o que você falou? Ela consegue repetir o que você acabou de dizer? Ela consegue explicar como ela vai fazer o que você pediu?
Quando você faz um acordo ou faz um pedido, você espera ser bem atendido, então a responsabilidade da comunicação é sua, que emite a mensagem – é você que deve garantir que o outro te entendeu.

Se você quer atender bem seu cliente, você deve verificar se você entendeu o que o cliente lhe pediu. As vezes parece que ambos estão “entendidos” mas cada um tem uma coisa diferente na mente! Explique ao seu cliente o que vai ser entregue ou como vai ser entregue. Assim além de ajustar a expectativa, você consegue melhorar seu atendimento.

O seu receptor, ou a pessoa a quem você pede ou oferece algo, tem canais de comunicação (visual, auditivo, cinestésico) que podem ser diferentes dos seus, e o que é óbvio para você parece aramaico para os outros!
Hummm… não estou falando de nenhum cônjuge especificamente!!

O bom disso é que o processo de comunicação pode ser aprendido e treinado. Se você realmente tem vontade de se comunicar bem e melhorar seus relacionamentos, evitando as situações de conflito, procure se interessar genuinamente pelo outro; perceba se ele entendeu seu pedido ou a sua oferta; repita de maneiras diferentes a mesma informação; observe as reações. Quando você faz isso as chances de o combinado acontecer da maneira que está na sua cabeça melhora muito!

Depois de praticar bastante quem sabe você vai poder usar com propriedade a frase de uma grande Irmão: “eu não entendo como as pessoas não entendem!”


Sobre o autor:
Alex Baylon é Marido da Cíntia, pai da Melissa, Engenheiro e Administrador
Practitioner em PNL, formação em Hipnose, Reiki e Tarô.

Agenda
16 de DEZ, 2017

Blog
30 NOV, 2017 | por José Carlos Carturan
Faça o seu Teste
Endereço
R. Letícia, 61 - Jardim Satelite, São José dos Campos - SP, 12230-840
Telefone
+55 (12) 3302.0111 +55 (11) 2626.0211
© 2017 Elleven Treinamentos. Todos os Direitos Reservados.                 R. Letícia, 61 - Jardim Satelite, São José dos Campos - SP, 12230-840

Newsletter

Insira seu email para receber dicas e artigos exclusivos da Elleven Treinamentos!

X